Coletor e a Apitoxina: a terapia do veneno das abelhas

Placa Coletora no Apiario - Coleta de Apitoxina

COLETOR DE APITOXINA

O Coletor de Apitoxina, é um aparelho destinado a fazer coleta de apitoxina (veneno de abelhas) em 10 colméias ao mesmo tempo. É composto por um gerador de pulsos, dez placas coletoras (com vidro), uma bateria e um carregador de baterias.

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, a coletor não mata a abelha, pois a mesma não perde o ferrão. Ao passo que, quando uma abelha ferroa uma pessoa, perderá o ferrão e morrerá. Na extração do veneno, a abelha é induzida a ferroar uma placa coletora através de choque elétrico.

O aparelho coletor de veneno tem capacidade para dez colméias simultaneamente, sendo que cada colméia recebe uma placa coletora que poderá extrair aproximadamente 100 miligramas do produto.

O tempo de coleta do veneno é aproximadamente 20 minutos, para cada 10 colméias, havendo pequena variação de cada grupo familiar para mais ou para menos, de acordo com a população.

Fonte do Vídeo: www.beewhisper.com

GERADOR DE PULSOS

Depois disso, o material coletado é raspado das placas e acondicionado. O gerador de pulsos, é alimentado por uma bateria de 12v e 2 ampéres, e tem a capacidade para gerar pulsos para 10 placas coletoras. A placa coletora, é de acrílico com as varetas em aço inox, para que não haja contaminação do produto.

Somente as Fêmeas operárias tem veneno, a sua função é proteger e defender a colônia, o enxame. Cada abelha produz dentro de si cerca de 0,3mg de veneno, que é uma substância transparente e solúvel em água. Essa toxina reúne quatro componentes distintos, principalmente a melitina e a apamina, que são peptídeos de baixo peso molecular. As duas substâncias estimulam os sistemas adrenal e pituitário a produzirem cortisol e outros esteróides naturais sem produzir as complicações médicas associadas aos esteróides sintéticos.

Fonte: Daiane Rodrigues Moreira. Revista [email protected]ência. Apiterapia no tratamento de patologias (2012).

 

Placa Coletora no Apiario - Coleta de Apitoxina
Placa Coletora no Apiario – Coleta de Apitoxina

APITOXINA

A apitoxina é a utilização do veneno da abelha como fonte principal de terapias. O método de terapia mais utilizada nas clínicas especializadas é o veneno processado e industrializado por laboratórios credenciados. Esse processo consiste na extração do veneno e seu beneficiamento, transformando-o em pomadas ou gel, dessa forma, obtém-se uma toxina menos ativa.

Porém, há também tratamentos em que o paciente é submetido a picadas direto do animal, contudo nesta técnica, são necessárias poucas picadas, visto que a concentração do veneno é maior, tornando o tratamento mais ativo. Nesse tratamento a maior contraindicação é a comprovação da ausência de alergenicidade do paciente, ou seja, paciente alérgico a toxina. O veneno é utilizado para a defesa da colônia, para quando as abelhas se sentirem ameaçadas.

Fonte: Francisco Leandro de Paula Neto e Raimundo Moreira de Almeida Neto. Principais mercados apícolas mundiais e a apicultura brasileira. Banco do Nordeste do Brasil (2005).

 

A APLICAÇÃO

Pode ser sublingual ou subcutânea com agulhas através de injeções localizadas. Ou ainda através de picadas de abelhas, sendo indicada pequenas quantidades devido sua alta concentração.

Nesse caso, a abelha é localizada próxima à pele e, quando se sente agredida ou em perigo fixa seu ferrão e injeta uma pequena quantidade de veneno, o qual é imediatamente absorvido pela pele e enviado à corrente sanguínea.

CONTRAINDICAÇÕES

As principais contraindicações, segundo a Sociedade Brasileira de Apiterapeutas, são pacientes que apresentam gravidez, alergia ao veneno, diabetes, doenças hepáticas, doenças da suprarrenal, úlceras gástrica e duodenal com tendência a hemorragias, neoplasias malignas, período menstrual recente, afecções cardiovasculares crônicas, insuficiência cardíaca, febre, estresse emocional, astenia e doenças psíquicas.

Publique um artigo no MEL!

Estudiosos, apicultores, cozinheiras de mão cheia e curiosos de plantão, venha fazer parte do Site do Mel!

4 thoughts on “Coletor e a Apitoxina: a terapia do veneno das abelhas

  1. R.P Martins - ME Apicam says:

    bom dia me chamo Rafael,sou apicultor do estado do maranhão e estou muito interessado sobre a produção de Apitoxina. mais estou por fora do mercado e não tenho contato

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.